Gula

 

Último pecado, gula. Escolhemos esse pecado porque ele diz muito de nós três. Afinal do contas nossa amizade está sempre às voltas de encontros gastronômicos, sejam feitos por nós (Yu, né?) ou não.

Eu, Ana, pensei um pouco sobre cada pecado que passou por aqui essa semana. Sobre como a gente não escapa de nenhum deles.

A gula pra mim é especial. Cresci num ambiente em que comer muito e bem faz parte da sociabilização. Faz parte de estar junto, em família. A comida funciona como motivo pra se estar sentado, perto, conversando. E daí, ela acaba sendo muita. MUITA mesmo. Então pra mim, a gula está mais ligada ao sentimento de culpa depois desses banquetes exagerados, o peso da comida. Exagero, bem isso. Quando a gente passa do prazer, da satisfação, e vai pro exagero.

Pra mim, Yu, a gula é muito mais que um pecado da comida, pra mim é algo como querer ter tudo, ânsia exagerada, gula pelo mundo. Fagia de tudo. Além do que, gula me lembra prazer, pois temos muito prazer em comer. E eu particularmente tenho prazer em cozinhar, em ver as pessoas sentirem prazer com algo que eu cozinhei. pra mim tem esses dois viés.

Pra mim, Luna, a gula é mais um pecado. Uma lembrança indesejada de coisas que eu deveria, mas não consigo controlar. De como um prazer pode fácilmente se tornar uma coisa ruim. De como que, quando não conseguimos dar conta das coisas, nos voltamos para o exagero para tentar compensar outras.

Escolhemos pra representar a gula uma música que fala do nosso amado, idolatrado, salvador chocolate.

porque ele não é problema, é solução.

E a foto? De uma bela paella feita pela Yu no final do ano passado. Nos esbaldamos esse dia!

Ira

Raiva, ódio, rancor. Meio pesado, né? E infelizmente, muito comum também.

Todo dia a gente é confrontado com esses sentimentos. Seja em atitudes de pessoas que a gente convive, seja por coisas absurdas que tem acontecido por aí. Ok, devaneios ébrios por aqui…

Bom, e a música? Quando fui pensar em uma música, uma banda que me faz lembrar de raiva, ira, só me vinha Pantera na cabeça. AMO eles! E o som deles me soa como um desabafo raivoso, uma vontade de colocar muita coisa pra fora!

Mas, sendo esse pecado já tão pesado, achei que ficaria demais. Lembrei dessa versão linda que o Pantera fez de uma música do Black Sabbath, Planet Caravan. Música muito especial pra mim.

Mesmo vinda de uma banda com essa carga pesada, a música é calma, tranquila, suave.

E tem um clipe que (apesar da computação gráfica safada super anos 90) passa a ideia de recomeço, paz.

Recomeçar. Com mais calma, mais amor, mais compreensão, respeito. Menos ódio.

Menos ira.

Preguiça

Fiquei pensando o que torna algo pecado. Talvez o excesso, o exagero, o extremo.
A preguiça até pode ser um pecadinho, dos menores, mas ainda sim é considerado um pecado. E porque? O que torna a preguiça um pecado?
Preguiça, segundo fontes googleanas é quando uma pessoa vive em estado de falta de capricho, de esmero, de empenho, em negligência, desleixo, morosidade, lentidão e moleza, de causa orgânica ou psíquica, que a leva à inatividade acentuada. Aversão ao trabalho, frequentemente associada ao ócio, vadiagem.
Realmente, isso é um pecado! Não viver é pecado!
Mas também associo a preguiça à outros estados … e sim eu peco.
Tenho a tal da preguiça alheia por muitas coisas, principalmente por coisas que se fazem de reais, mas não são.
Afinal de contas, a vida real não é aqui.

Mas vamos pecar um pouquinho? Vamos ficar com as pernas pra cima, curtir o ócio, e ser um pouco vagabundos. Pois eu acho que tudo em equilíbrio, até mesmo um pouco de preguiça, não é pecado, é sabedoria.

A música? Uma música dessas que é boa pra ficar no tapete olhando pro teto, de uma banda que transparece uma vida vagabunda, uma Onda Vaga.

Avareza

Eu gosto de dinheiro.

Eu, você, e todo mundo que eu conheço e todo mundo que você conhece.

Mas essa não é minha avareza.

A minha avareza não é financeira. É uma avareza das outras coisas. Uma avareza de não se dar. De me guardar pra não me perder. De não me espalhar pra não me perder. De me juntar e me guardar pra me ter ali comigo.

Mas veja só o grande pecado da avareza: quando a gente não se dá, a gente não se tem nos outros.

É simples: é ter alguém como sua melhor amiga, mas a melhor amiga dela não ser você. É querer bem, mas não ser querida, amar sem ser amada, ver sem ser vista. É esse o meu pecado da avareza. Não saber me dividir pra poder me multiplicar nos outros.  Querer me guardar, me economizar, e nisso perder a alegria que só conhecemos quando aprendemos a dividir. Como poderei me ver no coração de outra pessoa se eu não me dei para que ela me colocasse ali?

Termino então este post com uma oração pra aprender a ser mais generosa. Uma música maravilhosa lindamente, intensamente e deseperadamente interpretada pela Florence para respirar e não pirar. E para – por que não? – acreditar em um amor maior.

Às vezes parece
Que o caminho é árduo demais
E as coisas dão errado, não importa o que eu faça
De vez em quando é como se
A vida pesasse demais
Mas você tem o amor que eu preciso
Para conseguir superar

 

ps.: foi só a @piperaceae falar em Budas…

Luxúria

Novidade no Musique! Resolvemos fazer uma semana temática. Não sei bem o porque – eu não estava lá – o tema escolhido foi ‘sete pecados capitais’. Talvez por serem 7 – um por semana, talvez por ser pecado…

Escolhi o primeiro, o pecado que vai começar a semana. Na tradicional família mineira fica feio falar pecado preferido,né? Então ok, não falo isso. Mas hoje meu tema é Luxúria. Ou o ato de deixar-se dominar pelas paixões. Quem nunca?

Fiquei em duvida se escolhia uma música que fala sobre ou uma que me faz pensar em… Já falei aqui que considero a Cat Power como a voz/música mais sexy que conheço. Excelente pra momentos de luxúria. Fica a dica.

Como ela já apareceu algumas vezes por aqui, resolvi tentar algo novo. Por mais que Madonna, Type O Negative (sim, a voz do Peter Steele me da calafrios até hoje…) fossem escolhas meio óbvias pro tema, resolvi arriscar uma banda que conheço muito pouco. Conheci numa das maiores loucuras que fiz na vida…

…e se fecho os olhos enquanto to escuto essa música…

Sexy ou não?

‘vinho & pecado’

Ah, essa imagem é da contracapa do excelente livro “A casa dos budas ditosos”, do João Ubaldo Ribeiro (sogrão!!). Numa famosa coleção em que vários autores foram chamados pra escrever cada um sobre um pecado, o João Ubaldo escreveu sobre a Luxúria. Uma história de fazer corar as pessoas mais devassas… mais uma super dica, hein?