velhos tempos

Ontem, juntando uma parcela da família, gastamos um bom tempo no almoço lembrando de algumas coisas legais dos anos 90. E, uma banda hoje meio esquecida, foi lembrada: Raimundos.

Já faz um tempo que não se faz um rock daquela qualidade aqui no Brasil. A palavra que surgiu ontem pra descrever: Raimundos era sincero. Sim, muitas vezes machista, num nível que eu nunca gostei de cantar algumas músicas. Mas sincero sim.

Hoje deixo uma que gosto muito. Pra começar a semana já a mil!

fogo

2013-11-29 23.06.56

 Oi dezembro! Como vai você?

Que ano maluco! Tudo, mas tudo mesmo aconteceu numa intensidade muito grande. Muita coisa mudou, muita coisa está sendo preparada pra mudança.

Não tem sido fácil, não tem sido tranquilo. Mas tem sido. Um figura querido que conheci outro dia, postou semana passada esse textinho lindo, que fui descobrir ser da Clarice Lispector. Brincadeirinha, é do Rubem Alves:

Milho de pipoca que não passa pelo fogo continua a ser milho para sempre

Assim acontece com a gente.
As grandes transformações acontecem quando passamos pelo fogo.
Quem não passa pelo fogo, fica do mesmo jeito a vida inteira.
São pessoas de uma mesmice e uma dureza assombrosa.
Só que elas não percebem e acham que seu jeito de ser é o melhor jeito de ser.
Mas, de repente, vem o fogo.
O fogo é quando a vida nos lança numa situação que nunca imaginamos: a dor.
Pode ser fogo de fora: perder um amor, perder um filho, o pai, a mãe, perder o emprego ou ficar pobre.
Pode ser fogo de dentro: pânico, medo, ansiedade, depressão ou sofrimento, cujas causas ignoramos.
Há sempre o recurso do remédio: apagar o fogo!
Sem fogo o sofrimento diminui.
Com isso, a possibilidade da grande transformação também.
Imagino que a pobre pipoca, fechada dentro da panela, lá dentro cada vez mais quente, pensa que sua hora chegou: vai morrer.
Dentro de sua casca dura, fechada em si mesma, ela não pode imaginar um destino diferente para si.
Não pode imaginar a transformação que esta sendo preparada para ela.
A pipoca não imagina aquilo de que ela é capaz.
Aí, sem aviso prévio, pelo poder do fogo a grande transformação acontece: BUM!
E ela aparece como uma outra coisa completamente diferente, algo que ela mesma nunca havia sonhado.
Bom, mas ainda temos o piruá, que é o milho de pipoca que se recusa a estourar.
São como aquelas pessoas que, por mais que o fogo esquente, se recusam a mudar.
Elas acham que não pode existir coisa mais maravilhosa do que o jeito delas serem.
A presunção e o medo são a dura casca do milho que não estoura.
No entanto, o destino delas é triste, já que ficarão duras, a vida inteira.
Não vão se transformar na flor branca, macia e nutritiva.
Não vão dar alegria para ninguém.

É uma analogia bem simplesinha, mas que encaixou bem.

FOGO, exatamente o que esse ano foi pra mim.

Já começando a dar os fechamentos que ele merece, posto hoje uma música que todo mundo conhece. Eu, particularmente, nunca tinha prestado atenção na letra. Outra que também encaixa bem.

coração

2013-11-16 18.42.38

 

Uma segunda-feira com o nível de energia de uma sexta: tô exausta! Mas TÃO feliz de ter conseguido fazer tudo que eu queria esse feriado.

Quadrinhos e mais quadrinhos, avião, estrada de madrugada, correria com a noiva, casamento mais lindo, pessoas muito queridas, festão, estrada de manhã cantando sertanejo, avião, quadrinhos, família.

UFA!

Tudo lindo, tudo feliz…

Deixo aqui hoje um dos hits máximos da estrada. Amo música de estrada! É meio brega, mas bão demais!!!

vem cá FIQar!

Finalmente chegou!!! A semana mais legal da vida a cada dois anos! É a semana do Festival Internacional de Quadrinhos, meu povo!

Sim, sou empolgada nesse nível com o FIQ. Esse ano será a terceira edição seguida que eu participo ativamente. O prazer que é estar em um lugar onde se respira quadrinhos, cheio de autores, revistas inéditas, sessões de autógrafo… Comprar as revistas direto de quem fez, viver aquilo ali é bom demais.

E esse ano tá cheio de gente especial! Pra começar, o homenageado da edição é o monstro sagrado Laerte Coutinho. Atrações fantásticas internacionais e nacionais também vão marcar presença. No site e nesse fantástico release em quadrinhos tem mais detalhes.

Música pra combinar com essa empolgação toda? Suave, pra aguentar vencer as obrigações da semana e aproveitar o FIQ feliz como sempre…

I got comics books…’

 

sonho de adolescente

A sensação de se realizar um sonho é muito gostosa. Sábado fiz isso… Depois de quase 20 anos de paixão, finalmente assisti o Red Hot Chili Peppers ao vivo. Finalmente vi o trio Anthony (lindo lindo lindo lindo lindo!!!!), Flea e Chad.

Emoção sem fim. A energia dos caras continua muito foda, a energia do som deles é envolvente.

Foi lindo!

Escolhi duas das 7 músicas que fiquei ouvindo no domingo. Primeiro, a baladinha lindeza do disco maravilhoso Blood Sugar Sex Magic:

A a segunda é dos meus tempos de MTV todo dia,  My Friends. Ainda da época do guitarrista Dave Navarro, a música é a baladinha do disco One hot minute. Amor verdadeiro…

Bom, pra não falar só das flores, cabe aqui um #sincerão. Nota zero pra organização do evento. Circuito Banco do Brasil deixou muito a desejar público. Se por um lado o Red Hot arrasou, o processo que todo mundo passou pra chegar lá no show (engarrafamento por causa de um manifestação, sem uma placa ou policial indicando que as pessoas deviam retornar), a péssima sinalização dos banheiros e a vergonhosa venda de bebidas e comidas. Tudo mal organizado e caótico. Muito triste ver que um festival que tinha tudo pra dar muito certo (espaço legal, grande público pagante, boas bandas) acabou por mostrar uma grande incompetência de produção. Triste por isso ter acontecido na minha cidade. Triste por ter passado por aglomerados de pessoas se espremendo para tentar comprar algo pra comer ou pra beber. Faltou muito respeito com o público, que pagou pequenas fortunas pelo ingresso e acabou passando MUITA raiva.

 

take a walk

R.I.P. Lou Reed. O que me veio na cabeça quando li sobre a morte desse meu ídolo? Até tu, Lou Reed? Aquela mania besta de achar que alguns cara são maiores que morte…

Incontáveis músicas, incontáveis sensações que as músicas desse cara já me provocaram. Todas me trazem lembranças de épocas muito felizes e loucas da minha vida. Afinal, quem nunca, pelo menos um pouquinho, se arriscou a dar uma voltinha num wild side?

Mais uma vez, ficamos aqui com muita coisa boa pra lembrar dele.

Hoje posto 11 minutos de Lou Reed. Porque é o que vou escutar essa semana.

dar o fora

1175789w590

Semana passada essa música caiu na minha mão por acaso (valeu xuxu!). E gente, QUANTA lembrança!

Na verdade não só a música, mas todo o primeiro disco da Daniela Mercury é quase um baú de lembrança. Daqueles que eu tinha o vinilzão e escutava sem parar na vitrolinha que ficava no quarto. Delícia!

E esse clipe? Um show a parte…

Pra começar a semana mexendo.

climinha

1076073

Dias de friozinho, chuvinha fina e ansiedade brutal. Dias de comida quentinha, filmes e um vinho pra acompanhar.

Dias de olhar pra frente.

“Aponta pra fé e rema”

Tira de um dos meus quadrinhistas preferidos da vida: Liniers. Argentino, ele parece ter vindo ao mundo com uma luz a mais… Consegue ser engraçado, delicado, alegre. Gracioso. Quem não conhece, peloamordedeus corrige isso!!

Intuição

20130925-213635.jpg

Aprender a seguir o coração. Aprender a ouvir aquela vozinha que fala com a gente.

A sensação de re-conectar com a gente é muito gostosa. Voltar pro eixo.

Muitos sentimentos confusos. E uma música linda, pra fazer esse post valer a pena.

Vou hoje de Marble Sounds, com uma música linda linda, com uma letra linda linda.

…e que os caminhos malucos e inesperados que a intuição vai levando, sejam caminhos felizes.